collections

Adriana DegreasSpring Summer 2015 Sao Paulo

Runway Review

43 shots in the collection

Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas Adriana Degreas
SEE MORE
4/3/2014 Talita Silverberg/fashionwirepress.com

Suas criaçoes beachwear sempre fogem do óbvio e sem dúvida pode ser considerada uma das mais chiques no cenário brasileiro. Ela mesma define suas peças como bain couture.

Seus maiôs e biquinis repletos de recortes são o tipo de peça pra serem usados além da areia, nos resorts e nos barcos. Pra essa coleção a designer deixou um pouco de lado os apectos boho que sempre são presentes em suas coleções pra inserir o clima boudoir. Adriana não se inspirou em alguma época específica da história. Sua inspiraçao foi a mulher retratada nas fotografias de Helmut Newton, sexy e feminina.

A abertura do desfile foi com Daiane Conterato. Na passarela vimos um perfume dos anos 80, com peças bastante cavadas e algumas que remetiam a lingeries,transparências feitas com aplicaçoes de tule que traziam sensualidade na medida certa, escondendo ou mostrando a pele em partes estratégicas do corpo, peças na cor preta que traziam recortes a laser na lycra encerada com efeito metalizado e maios que traziam bolsos e cinto dando um ar vintage às peças.

No segundo momento do desfile, suas peças traziam estampas de cisnes espelhados em tons sobrios de rosa, verde e dourado. Estampas estas que foram uma releitura do pintor e ilustrador inglês Walter Crane.
As saídas de praia vieram pra complementar a figura da mulher poderosa que Adriana ilustra com suas criações que foram desde macacões e calças amplas até uma capa dourada que apareceu no encerramento do desfile usada por Shirley Malmann.

View Runway
4/3/2014 Talita Silverberg/fashionwirepress.com

Suas criaçoes beachwear sempre fogem do óbvio e sem dúvida pode ser considerada uma das mais chiques no cenário brasileiro. Ela mesma define suas peças como bain couture.

Seus maiôs e biquinis repletos de recortes são o tipo de peça pra serem usados além da areia, nos resorts e nos barcos. Pra essa coleção a designer deixou um pouco de lado os apectos boho que sempre são presentes em suas coleções pra inserir o clima boudoir. Adriana não se inspirou em alguma época específica da história. Sua inspiraçao foi a mulher retratada nas fotografias de Helmut Newton, sexy e feminina.

A abertura do desfile foi com Daiane Conterato. Na passarela vimos um perfume dos anos 80, com peças bastante cavadas e algumas que remetiam a lingeries,transparências feitas com aplicaçoes de tule que traziam sensualidade na medida certa, escondendo ou mostrando a pele em partes estratégicas do corpo, peças na cor preta que traziam recortes a laser na lycra encerada com efeito metalizado e maios que traziam bolsos e cinto dando um ar vintage às peças.

No segundo momento do desfile, suas peças traziam estampas de cisnes espelhados em tons sobrios de rosa, verde e dourado. Estampas estas que foram uma releitura do pintor e ilustrador inglês Walter Crane.
As saídas de praia vieram pra complementar a figura da mulher poderosa que Adriana ilustra com suas criações que foram desde macacões e calças amplas até uma capa dourada que apareceu no encerramento do desfile usada por Shirley Malmann.


Select
SEASONS & CITY